O impulso artístico proposto por Rudolf Steiner e formulado pela antroposofia

O impulso artístico proposto por Rudolf Steiner – e formulado pela Antroposofia por meio da euritmia, escultura, pintura e arte da fala – é o machado afiado que possibilita ao aprendiz entrar em contato com seus próprios veios. Na busca do elemento artístico específico de cada arte, a pessoa depara-se com o universo dos fenômenos, conhece suas formas de expressão, e pode criar a partir de elementos como equilíbrio, movimento, cor, som, forma, ritmo, etc. A aproximação com tais elementos exige concentração e auto-observação, qualidades que se adquirem durante o próprio fazer artístico.
Ao criar algo completamente novo, saído inteiramente do seu interior, a pessoa trabalha e mostra seus limites ao mesmo tempo em que afirma sua individualidade e valoriza a si mesma. E é assim que, com a ajuda da arte, dá os primeiros passos rumo à superação de si mesma.
O fazer artístico ampliado pela antroposofia é sempre um veículo de expressão da alma. Assim, ele pode ser realizado com duas intenções: uma artística, onde o objetivo é a comunicação plena do artista – que segue por um caminho de auto-transformação – com o espectador da obra de arte, podendo atuar positivamente sobre este. E outra, terapêutica, onde o fim a ser alcançado é o equilíbrio e a harmonização interna do indivíduo.
Em cada arte, um elemento, uma função

– Escultura

O corpo-a-corpo do aprendiz com a matéria – barro, madeira ou pedra – e a metamorfose da mesma, ensinam e despertam o respeito pelo material e o conhecimento das forças vitais do universo (expansão, contração, volume, espaço, movimento, ritmo e equilíbrio). Aprende-se a criar respeitando as qualidades de cada material, visando captar sua essência e não apenas a sua aparência.
– Pintura

A investigação das cores e de suas características é o ponto de partida para o trabalho do pintor. Ao conhecer as qualidades de cada cor (expansão/contração, movimento/calma...) o indivíduo confronta-se com suas próprias qualidades e dificuldades. Com esse conhecimento ele pode utilizar a essência das cores para revelar muito de si próprio.
– Euritmia

Diferentemente das artes plásticas, a euritmia não lida com materiais, mas com um instrumento: o próprio ser humano que, de forma sutil, reproduz com gestos os movimentos realizados pelo aparelho fonador ao cantar e falar. Juntamente com a música e a poesia, o euritmista expressa suas vivências mais íntimas. Segundo Rudolf Steiner, a euritmia é a fala visível. (Ver a seção de euritmia.)
– Arte da Fala

Na fala a pessoa revela-se, traz à tona conteúdos que nem sempre deseja tornar públicos. O estudo e a sensibilização do falar mostra vícios de entonação, expressão, tensões, dificuldades respiratórias etc. Depois de se perceber, o indivíduo pode falar de forma consciente, desenvolvendo as qualidades artísticas da linguagem e expressando-se artisticamente.

Fonte: AURORA associação

Sem comentários:

Enviar um comentário