A dança na saúde física, emocional e mental

foto: Centro Internacional de Dançaterapia Maia Fux


Texto de Adriana Cyrino de Mello Risau .

Valores e Aspectos Benéficos e Educativos da Dança

A Educação compreende aprimoramento físico, intelectual e moral a um só tempo. A educação estimulada pelo exercício físico visa o indivíduo “in totum”, uma vez que “é educação particular do físico e, geral, por meio do físico”.

Pesquisas têm demonstrado que o desenvolvimento funcional do sistema nervoso depende da atividade dos músculos e órgãos que com ele se relacionam. A atividade muscular é ao mesmo tempo atividade nervosa. Dentre as formas de exercício, a dança é a atividade física mais completa nesse processo de desenvolvimento e aperfeiçoamento integral do ser humano. Além de se conseguir por ela o aperfeiçoamento das qualidades físicas e funções correlatas, obtém-se pela dança o desenvolvimento de atributos sociais e morais, desse modo, sua contribuição é preciosa e, por certos aspectos, insubstituível.


Valor Físico - A Dança

- Melhora as funções circulatórias, respiratórias e digestivas.
- Aperfeiçoa o sistema muscular e nervoso, proporcionando vida longa e saúde.
- Colabora para a agilidade, flexibilidade e elasticidade dos movimentos.
- Aumenta a resistência física.
- Corrige a má postura advinda de posições viciosas do cotidiano, que obrigam a posições forçadas ou o exagerado uso de determinados segmentos do corpo.
- Restaura forças de um organismo debilitado.
- Aperfeiçoa a coordenação neuromuscular.
- Emagrece de forma paulatina e prazerosa.

Valor Moral - A Dança

- Incentiva e aperfeiçoa o domínio de si mesmo, a iniciativa, o entusiasmo, a perseverança, o cavalheirismo, o senso da ordem.
- Estimula a disciplina através da obediência à técnica e ao acompanhamento musical.
- Incentiva o senso de responsabilidade que se traduz no desejo de executar satisfatoriamente os passos, movimentos e figuras. Estimula a iniciativa, pela participação ativa e constante do dançarino em cada momento e pelas dificuldades que deve contornar ou a que deve sobrepor-se.
- Contribui na formação do caráter, aspecto dos mais importantes da personalidade.
- Nash exige de uma atividade determinadas condições para que tenha valor construtivo na formação do caráter. A dança satisfaz aos requisitos por ele propostos: ação, interesse, prazer, expressão integrada, oportunidade para liderança companheirismo e autodireção.
- A dança é em si dinamismo. As crianças por ela naturalmente se interessam.
- Oferece completa integração, pois quem a pratica é levado a integrar-se física, psíquica e moralmente.
- O companheirismo está presente em toda a dança levado por um desejo de sucesso, na perfeição da coordenação corporal, em que o auxílio do parceiro(a) se faz indispensável.
- Oferece também ensejo para autodireção.

Valor Mental - A Dança
- Corrige os distraídos, levando-os a melhor observar situações complexas para nelas intervirem a tempo e hora.
- Incentiva a imaginação, pois reclama sempre poder criador aos que nela se exercitam.
- Exercita-se a memória por todos os aspectos: fixação, conservação, evocação.
- Há aprendizado ativo.
- Há variedades de situações a responder. Mas há também objetivos certos e um ritmo, ou vários, a atender. Por isso, todos os tipos de memória são favorecidos, os de movimento, os visuais ou auditivos.
- Aguça-se o poder de crítica, o raciocínio, a percepção rápida de movimentos e de seus efeitos e conseqüências. De forma recreativa, a dança leva a prever, a antecipar resultados, fundamento geral de todo trabalho racional.

Valor Social - A Dança

- Favorece as tendências sociais, as relações pessoais.
- A delicadeza na maneira de expressar-se e agir, torna-se característica do dançarino, facilitando as relações entre pessoas e grupos.
- Cria raízes de polidez e cortesia, ocasionando um comportamento ideal que se torna habitual em qualquer circunstância.
- O desequilíbrio psicossocial que caracteriza a adolescência pode ser restaurado pela prática da dança.
- Contribui também para a formação de uma mentalidade democrática, reclamada pela civilização de nossa época.
- Desenvolve o intercâmbio social, a camaradagem, o espírito de crítica.
- Proporciona enfim união mais acentuada. Como bem diz Grosse: “enquanto dançam as pessoas estão num estado de unificação social completa”. O grupo que dança sente e atua como um organismo único.

Valor Cultural - A Dança
- Pode representar ainda um fator de comunhão cultural transmitindo idéias e costumes de uma geração à outra, sobretudo nas formas folclóricas e populares.
- Na Grécia antiga, as danças abstratas exigiam preparo intelectual do praticante e eram as preferidas pelas elites. Na idade média a dança foi exaltada graças à sua espiritualidade que serviu de propaganda religiosa, e à difusão das canções dos trovadores da época.

No Renascimento, já lhe deram valor próprio e, nos tempos modernos, adquiriu esplendor jamais alcançado.

Valor Recreativo - A Dança

- Recreação não é apenas o que distrai, diverte e causa prazer. Recrear, etimologicamente significa: “criar de novo, revigorar, retemperar”.
- É considerada recreativa a atividade a que nos dedicamos espontaneamente, para tais efeitos.

A dança tem a faculdade de oferecer movimentos de verdadeira recreação, não só pela satisfação que a sua prática proporciona como pelo papel mitigador, de aliviar tensões e fazer esquecer aborrecimentos. Interessando profundamente, alivia a pressão dos acontecimentos ambientais, pelo que recupera o equilíbrio emocional, liberando essas tensões.

- Um dos grandes efeitos da recreação é a higiene mental. O mundo moderno diminui o esforço físico dentro do trabalho, mas aumenta as preocupações e as angústias. A dança é a recreação ideal para qualquer idade por oferecer exercício físico completo, aliviar as tensões c proporcionar prazer.

Dançar é atividade física sempre bem recebida por oferecer oportunidades de expressão individual, de atividade criadora e pela função recreativa que desempenha. O jogo e a recreação constituem uma transição para o trabalho. Pelo seu alto valor recreativo, a dança constitui um dos meios de formação do ser humano.

O adolescente que emprega o tempo em atividades múltiplas, encontra na dança não só alegria e satisfação, mas ensejo de poder iniciar a sua vida social. A dança traz-lhe prazer funcional, isto é, alegria com a sua prática, além de resultados satisfatórios na fase de afirmação pessoal que atravessa. Faz. desaparecer as “brumas mentais” em que se envolve, facilitando-­lhe as relações sociais variadas e educativas.

Para o adulto, a dança torna-se um derivativo precioso, em que poderá empregar de maneira sadia as horas de lazer. Ao contrário de certos passatempos, como o jogo de canas e distrações que levam ao sedentarismo, conduz à prática de exercício físico e ao aperfeiçoamento de dons artísticos. O trabalho, necessidade imperiosa, como meio de sustento ou imposição social, conforme o grau de concentração, de esforço, sobretudo mental, de repetição constante, que leva à monotonia, fadiga o indivíduo a tal ponto que prejudica o rendimento e o sucesso. Há necessidade de recreação para equilibrar-lhe o sistema nervoso e evitar um desajustamento que o leve a procurar um derivativo, às vezes, contra-indicado, como a bebida e o jogo.

Na vida do homem, qualquer que seja a idade ou ambiente, há necessidade de recreação para que o equilíbrio emocional, mais sensível que o físico, se restabeleça.

Bibliografia - GIFFONI, Maria Amália Corrêa - Danças Folclóricas Brasileiras 3ª Edição. São Paulo. Melhoramentos 1973

Professora de Dança

1 comentário: