Reflexão Geral

Um dos postulados fundamentais da Psicologia Transpessoal é que toda vivência darealidade é função do estado de consciência em que nos encontramos. Creio que este é o pontobásico de encontro entre as duas abordagens. Tanto a Transpessoal quanto aArteterapia preocupam-se em promover mudanças de estado de consciência parapropiciar a superação de sintomas e despertar sentimentos de paz, confiança, entrega,compaixão, amor, resultando em um estado de harmonia interior. Outro ponto de encontro claramente observável é o Conceito de Unidade.

Superar a visão fragmentada de nossa percepção da realidade para que haja um desenvolvimentointegral do ser na relação com ele mesmo, com o mundo e com o Todo, fundamenta ospressupostos teóricos de ambas as abordagens.

O Conceito de Ego relativizado da Transpessoal também aparece na postura terapeutacliente,baseada nas fundamentações da Arteterapia. Entregar-se à experiência é colocar-se existencial e fenomenologicamente na relação, possibilitando o encontro e odiálogo, num exercício de destituir-se de pretensões egóicas e narcísicas para vivenciara unidade. Com relação ao Conceito de Vida, a similaridade está na crença de que a vida individual é inteiramente integrada e forma um todo com a vida cósmica.

O Conceito de Evolução da Consciência e de Estados da Consciência como um movimentoevolutivo para a vivência espiritual também está presente na Arteterapia.

Além das relações conceituais em comum, há ainda muitas similaridades nas práticas evivências de ambas as abordagens. Dentre elas destacamos:

- a ressonância mórfica atuando no processo arteterapêutico e na sintonia quef orma o vínculo terapeuta-cliente;
- a postura amorosa, que aceita e se abre para o outro como ele é;
- a abertura para o novo, para o desconhecido, num processo de exploração eexperiência conjuntas;
- a crença na centelha divina dentro de cada pessoa que lhe possibilita a autorealizaçãoe a auto-transcendência;
- a ênfase na experiência para apreensão de significados e simbolismosimportantes para o autoconhecimento e a transcendência;
- o não-julgamento e o despojamento de interpretações teóricas no momento darelação, para que o encontro se dê;
- a ênfase na criatividade como um potencial constante de vir a ser do serhumano.

Essa lista de pontos de encontro entre a Psicologia Transpessoal e a Arteterapia poderiaser tão extensa quanto é a abrangência do efeito que pode vir a ter nas pessoas queparticipam de seus processos. Mas, penso que esse embasamento descrito já comprovaminha proposição inicial de encontrar as convergências que enriquecem uma e outraabordagem. Com elas, elaboro meu Projeto Ateliê Transpessoal em Arteterapia .

Texto de Marta M. Gehringer

Sem comentários:

Enviar um comentário