O ser humano está doente...

O ser humano está doente. No atual contexto sócio-econômico, passamos por váriascrises e talvez estejamos cansados de ler, ouvir e sentir problemas como desigualdadesocial, miséria, guerras, violência urbana, atentados suicidas, seqüestros, assassinatos,além de desastres ecológicos que ameaçam a sobrevivência do planeta, criando umasensação de crescente ameaça e insegurança.

“Amedrontados e confinados, cada um se volta para si, desconectado do outro e danatureza. As relações tornam-se mais apressadas, superficiais, “descartáveis”. Outilitarismo impregna nossas relações profissionais e amorosas.”
-Selma Ciornai

Esse cenário acarreta:

♦ a síndrome da incerteza: transformações rápidas e enormes dúvidas de comosobreviver no mundo atual;
♦ a síndrome da solidão: os contatos no trabalho, na família são freqüentementemarcados pela intolerância, irritação e competitividade e nos sentimos sós;
♦ a síndrome da dessensibilização: em relação a si próprio e à dor do outro;
♦ a síndrome da indiferença e do desencantamento em relação ao mundo: pessoas sequeixam de apatia, falta de paixão – nada tem graça!

Estresse, ansiedade, síndrome do pânico e depressão são as doenças “da alma” dosnossos tempos.

Nesse contexto, a arteterapia pode oferecer a ajuda necessária para nós mesmos e paraque a nossa sociedade e o mundo se tornem melhores. Já vimos no decorrer destetrabalho que é essencial praticar atividades criativas. Devemos deixar emergir fatoresde personalidade promotores da criatividade, como sensibilidade, percepção,apreensão empática, flexibilidade, não julgamento, receptividade às diferenças e anovas idéias, capacidade de apaixonar-se por causas e pessoas, capacidade de adaptarsecriativamente e de criar e apreciar novas realidades, para que possamos conviver emuma sociedade mais justa.

Texto de Marta E. Maltoni Gehringer

Sem comentários:

Enviar um comentário